Minha Conta

CPF: Senha:

Somos

Quem somos

O Ministério Sal da Terra é uma estrutura de apoio a igrejas aliançadas na fé e prática do Evangelho Vivo de Cristo, revelado nas Escrituras do Novo e velho testamento, segundo a unção eficaz do Espírito Santo, para transformação do homem, da família e da sociedade. É fonte de saúde na vida das igrejas uma vez  que promove e estimula a unidade na consciência de quem somos, o que temos e do que podemos, por meio de princípios e valores  de servem como fundamentos para equipar  a vida pessoal e ministerial.
 

Por que surgiu o Ministério Sal da Terra
Antes do surgimento do Ministério, trabalhava-se com uma estrutura central gerenciadora de todas as igrejas existentes na época chamada de Sede. Esta era a referencia e modelo para a atuação eclesiástica nas outras congregações. Viu-se a necessidade de uma estrutura funcional com ênfase principalmente apostólica e não mais gerenciadora. Uma estrutura que zelasse por um modelo de unidade pautado em princípios e valores e não que ditasse estilos, métodos ou formas. Um modelo que permitisse a convivência harmoniosa das diferenças uma vez reconhecendo a multiforme expressão de Deus e portanto, as particularidades ou expressões diversas entre as congregações.
 

Como é feita essa aliança
A aliança com o Ministério Sal da Terra é voluntaria  e se dá, uma vez reconhecida uma vocação, natureza e propósito comuns. Como expressão visível e prática dessa aliança, as igrejas se comprometem a  seguir a Carta de Princípios e Valores, a se fazerem representadas  nos eventos promovidos pelo Ministério bem como a estarem envolvidas em suas áreas de trabalho.

Como funciona o Ministério Sal da Terra
O Ministério Sal da Terra funciona por meio de uma estrutura relacional que permite a expressão coerente de quem somos e dos propósitos de liberar na vida das Congregações aliançadas os dons e vocações peculiares de cada uma, de promover e garantir uma expressão multiforme, e não determinar um padrão de formas e métodos que restrinja à uniformidade. Não temos a obrigação de impor uma mudança de comportamento, mas o privilégio de inspirar uma transformação de entendimento. O Objetivo maior da nossa atuação não é a mudança das práticas por si só, mas é a transformação na natureza das relações. Os parâmetros e os limites do nosso Ministério vão muito além das referências objetivas e visíveis. As práticas importantes e essenciais aos processos valem mais pelos seus motivos do que por seus objetivos.